linha & finas

Acompanhe aqui as noticias mais significativas sobre badminton

Leia tudo numa só página, as "noticias" e os "cartoons". Participe...enviando-nos noticias de badminton da sua Região, Clube ou Associação, que estas serão publicadas para uma maior divulgação da modalidade. e-mail : linha.boto@gmail.com

Há notícias que só no maior jornal de badminton
de Portugal se podem ler....


Última Hora

...

sábado, 7 de março de 2015

Bernardo Atilano e Duarte Anjo terminaram hoje participação no Yonex German Junior 2015 com excelente desempenho

Bernardo Atilano e Duarte Anjo terminaram a sua participação do Yonex German Júnior 2015, competição de grau #A. Apesar de serem hoje afastados da competição, os dois portugueses tiveram uma participação que os deve orgulhar, já que em Berlim está a nata do badminton júnior mundial. A abrir o dia, a dupla Bernardo Atilano/Denisa Kalova (CZE) estivaram a um passo de seguirem em frente, mas cederam no ultimo set para uma dupla de Hong Kong. na 3ª ronda de singulares, Duarte Anjo perdeu com o dinamarquês Ditlev Holm por duplo 14-21, mas lembramos que o dinamarquês está nos 1/4 Final da competição, onde só estão asiáticos, para além de mais um dinamarquês. Já Bernardo Atilano esteve simplesmente fantástico, afastando na 3ª ronda Chan Yin Chak de Hong Kong, numa partida em que o português esteve irrepreensível. Com esta vitória, Atilano entrou nos 1/8 de final, num grupo já muito restrito de atletas, não resistindo depois ao coreano Seung Jae Seo, 2º cabeça de serie e um serio candidato à vitória em Berlim. 

Pares Mistos
2ª Ronda
Bernardo Atilano/Denisa Kalova (CZE) perderam com Li Kuen Hon (HKG) por 21-17/19-21/14-21
Singulares Homens
3ª Ronda
Duarte Anjo perdeu com Ditlev Holm (DIN) por 14-21/14-21
Chan Yin Chak (HKG) perdeu com Bernardo Atilano por 15-21/21-12/18-21
1/8 F

Bernardo Atilano perdeu com Seung Jae Seo, 2 (COR) por 11-21/14-21

50ºs Internacionais de Portugal - Portugueses ficam-se pelo 2º dia de competição

Foto: FPB
Após o fecho do 2º dia dos 50ºs Internacionais de Portugal, já não há portugueses em competição. Pedro Martins uma das maiores esperanças portuguesas em avançar para os 1/4 de final, terminou a sua participação logo na 1ª ronda de singulares homens. O atleta algarvio ainda venceu o primeiro set diante do finlandês Kalle Koljonen por 21-14, mas não resistiu depois nos dois sets seguintes, perdendo por 13-21/16-21. Pedro Martins, que venceu em Marrocos nos finais de 2014, não competia a nível internacional há mais de 4 meses e a falta de andamento neste tido de provas, tem os seus custos. Também em singulares senhoras, Sónia Gonçalves e Helena Pestana foram afastadas logo na 1ª ronda diante respectivamente da checa Katerina Tomalov e da inglesa Ellionor Widh. Também em pares homens as duas duplas portuguesas presentes no quadro principal não tiveram argumentos para os seus adversários caindo logo na ronda inicial. Finalmente em pares senhoras as duplas Adriana Gonçalves/Sónia Gonçalves e Ana Albuquerque/Isabel Matias ficaram pela 1ª ronda. Já Daniela Conceição/Joana Lopes e Luis Faria/Helena Pestana, que entraram directamente na 2ª onda acabaram ai a sua participação, tal como Ana Dias/Gabriela Pereira, que tinham avançado da 1ª para a 2ª ronda depois de venceram as compatriotas Ana Albuquerque/Isabel Matias. Pode continuar a acompanhar os 50ºs Internacionais de Portugal ao vivo no Centro de Alto Rendimento para o badminton nas Caldas da Rainha, comos jogos dos 1/4 de final na manhã de sábado e das 1/2 finais na tarde do mesmo dia. Já as finais realizam-se na manhã de domingo. Todos os resultados dos atletas portugueses do dia de hoje podem ser consultados em baixo. 
Jogos atletas portugueses
Quadros Principais
Singulares Homens 1ª RondaKalle Koljonen (FIN) venceu Pedro Martins por 14-21/21-13/21-16
Singulares Senhoras
Ellinor Widh,8 (ENG) venceu Helena Pestana por 21-17/21-6
Sónia Gonçalves perdeu com Katerina Tomalov (CZE) por 13-21/8-21
Pares Homens1ª RondaMiguel Pinto/Luis Baia perderam com Darren Adamson/Scott Sankey (ENG) por 14-21/18-21Ângelo Silva/Ricardo Silva perderam com Patrick Buhl/Steve Olesen (DEN) por 13-21-12-21
Pares Senhoras1ª Ronda
Adriana Gonçalves/Sónia Gonçalves perderam com Aimen Moran (WAL)/Kerri Scott (ENG) por 17-21/16-21Ana Dias/Gabiela Pereira venceram Ana Albuquerque/Isabel Matias por 21-23/21-14/21-112ª RondaKristin Kuuba/Helina Ruutel (EST) venceram Daniela Conceição/Joana Lopes por 21-9/21-13Kira Kattenbeck/Franzisca Violkman (GER) venceram Luisa Faria/Helena Pestana por 214/21-10Carole Bott/Jennifer Karnolt (GER) venceram Ana Dias/Gabriela Pereira por 21-6/21-14

quinta-feira, 5 de março de 2015

Pedro Martins e Helena Pestana garantiram hoje em singulares a presença nos respectivos QP dos 50ºs Internacionais de Portugal

Foto: FPB
Está concluído o 1º dia dos 50ºs Internacionais de Portugal. Uma longa maratona de jogos, que garantiu a presença de Pedro Martins no quadro principal de singulares homens, ele que será o único representante português. Destacamos o percurso do atleta algarvio, que eliminou sucessivamente o britânico Alex Lane, o espanhol Manuel Vazquez e o húngaro Gergely Krausz, sem ceder qualquer set.  Em singulares senhoras, a famalicense Sónia Gonçalves já tinha assegurada presença nas 32 melhores, mas hoje e com uma grande prestação a madeirense Helena Pestana, fez jus à sua qualidade e estará também ela amanhã entre as melhores, depois de passar a austriaca Sonja Langthaler e a holandesa  Esther Kuilman. Em pares homens, a jovem dupla portuguesa Ricardo Silva/Ângelo Silva já tinha lugar nos 24 apurados directamente, e hoje Luis Baia/Miguel Pinto, também carimbou a passagem ao quadro principal. Em pares senhoras não se realizaram qualificações e serão 6 as duplas nacionais no principal quadro. A bandeira portuguesa estará infelizmente ausente em pares mistos, já que nenhuma dupla conseguiu entrada no quadro principal. Ricardo Silva/Daniela Conceição foram o que estiveram mais perto, já que estiveram na ultima partida que dava acesso ao quadro principal. Uma palavra também para os 18 árbitros presentes nos 50ºs Internacionais de Portugal e para os 3 Juízes-árbitros, que passaram também eles por um dia com bastante trabalho. Árbitros portugueses presentes: Carlos Assunção, João Teixeira, Celisa Monteiro, João Madeira, José Louro, Luis Martins e Luis Ferreira e os estrangeiros Catherine la Saint (FRA), David Chacon (ESP), Natália Mosquera (ESP), Freddy Haelterman (BEL), Jeorge Tonnaer (HOL), Ian Collett (ENG), Kai Uuttu (FIN), Michael Putz (GER), Patrick BjorK (SWE), Sara Shahhosseini (AUT) Tarmo Marandi (EST). Juízes-árbitros: Principal - Stephen Temple (WAL); Susana Maldonado e João Fragoso de Portugal como adjuntos.
Em baixo pode ver todos os resultados dos atletas portugueses nas qualificações. 


Atletas Portugueses
Qualificações
Singulares Homens
1ª Ronda
Nicolaj Persson (GER) venceu Miguel Pinto por 21-8/21-9
João Marques perdeu com Nuno Santos por 21-15/10-21/15-21
Alex Lane,8 (ENG) perdeu com Pedro Martins por 9-21/19-21
Tomás Nero perdeu com Pablo Sanmartin (ESP) por 9-21/13-21
Mikkel Mikkelsen (DIN) venceu Ricardo Silva por 21-9/21-10
Richard Domke (GER) venceu Ângelo Silva por 21-11/21-11
Bruno Carvalho venceu Chen Zeyu (ESP) por 21-19/13-21/22-20
2ª Ronda
Nikolaj Persson (GER) venceu Nuno Santos por 21-12/21-13
Pedro Martins venceu Manuel Vazquez (ESP) por 21-13/21-9
Aske Laureitsen (DEN) venceu Bruno Carvalho por 21-18/21-10
3ª Ronda
Pedro Martins venceu Gergely Krausz (HUN) por 21-12/21-13

Singulares Senhoras
1ª Ronda
Sara Boyle (IRL) venceu Gabriela Pereira por 21-17/21-14
Ana Dias perdeu com Getter Saar (EST) por 5-21/8-21
Daniela Conceição venceu Noora Ahola (FIN) por 24-22/21-17
Nadia Fankhauser (SUI) venceu Luisa Faria 21-9/21-13
Rachael Darragh (IRL) venceu Ana Amaral por 21-6 (RET)
Joana Lopes perdeu com Cendrine Hantz (SUI) por 14-21/7-21
Ana Albuquerque perdeu com Akane Watanabe (JPN) por 3-21/5-21
Esther Kuilman (HOL) venceu Joana Amaral por 21-12/21-9
Helena Pestana venceu Sonja Langthaler (AUT) por 17-21/21-16/21-13
Frida Lindstrom (SWE) venceu Adriana Gonçalves por 21-12/21-15
2ª Ronda
Tanapat Pisitpong (ENG) venceu Daniela Conceição por 21-10/21-3
Esther Kuilman (HOL) perdeu com Helena Pestana 17-21/12-21

Pares Homens
1ª Ronda
Luis Baia/Miguel Pinto venceram Guilherme Pereira/Luis Miguel Silva por 21-11/21-14
David Kristensen (DEN)/Ernesto Velazquez (ESP) venceram Marco Jorge/Daniel Mendes por 21-8/21-11
Rafael Miguel/António Paiva perderam com Blai Ramirez/Manuel Vazquez (ESP) por 16-21/15-21
João Marques/Ruben Vieira venceram Adrian Alcaid/Enrique Pancorbo (ESP) por 30-29/21-14
Luis Nesbitt/Carlos Ricardo perderam com Jesus Lonrenzo/Chen Zeyu (ESP) por 12-21/12-21
2ª Ronda
Paulo Mendonça/Pedro Velez perderam com Luís Baia/Miguel Pinto 12-21/8-21
David Kristensen (DEN)/Ernesto Velazquez (ESP) venceram João Marques/Ruben Vieira 21-17/21-15
Jesus Lonrenzo/Chen Zeyu (ESP) venceram Tomás Nero/Bruno Carvalho por 23-21/23-25/21-17

Pares Mistos
1ª Ronda
Paulo Mendonça/Isabel Matias perderam com Ricardo Silva/Daniela Conceição por 13-21/9-21
Guilherme Pereira/Gabriela Pereira perderam com Javier Soler/Laura Molina (ESP) por 3-21/21-23
Ruben Vieira/Ana Amaral perderam com Tobias Wadenka/Kira Kattenbeck (GER) por 10.-21/8-21
João Marques/Joana Lopes perderam com Remco Kuilman/Esther Kuilman (HOL) por 12-21/18-21
Akseli Danskamen (FIN)/Melissa Mazurstak (EST) venceram Ângelo Dias/Ana Dias por 21-17/23-21
Manuel Leitão/Ana Albuquerque perderam com Marko Pyykonen (FIN)/Karoliine Hoim (EST) por 13-21/10-21
Bruno Carvalho/Sónia Gonçalves perderam com Robert Golding/Tanapat Pisitpong (ENG) por 15-21/21/11/19-21
Anton Kaisti/Mathilda Lindholm (FIN) venceram Miguel Pinto/Joana Amaral por 21-13/21-5
2ª Ronda
 Ricardo Silva/Daniela Conceição perderam com Javier Soler/Laura Molina (ESP) por 12-21/13-21


YONEX German Junior 2015 - Bernardo Atilano e Duarte Anjo com dia positivo num dos melhores torneios juniores do Mundo

Foto: René Lagerwaard
Iniciou-se hoje o YONEX German Junior 2015, competição de nivel #A, o mais elevado na categoria de juniores, com a presença dos atletas portugueses Duarte Anjo e Bernardo Atilano. Numa prova onde estão alguns dos melhores juniores do Mundo, os dois atletas lusos acabaram por ter um dia bastante positivo. Tanto Bernardo Atilano como Duarte Anjo passaram à 3ª ronda de singulares e com resultados que não deixaram qualquer contestação no resultado. O madeirense Duarte Anjo "despachou" o esloveno Martin Cerkovnik, 9/16 cabeça de serie por claros 21-16/21-6, enquanto que o lisboeta Bernardo Atilano venceu também com alguma facilidade o alemão Julian Edhofer por 21-8/21-10. Em pares homens, a dupla portuguesa, apesar de uma partida bem conseguida, não evitou a derrota diante de dos indonésios Calvin Kristante/Bagas Maulana. Já em pares mistos sortes diferentes para Duarte Anjo e Bernardo Atilano. Duarte Anjo e a checa Magdalena Lajdova ficaram na 1ª ronda, ao perderem com os germânicos Patrick Scheil/Pia Beker. Já Bernardo Atilano e a também checa Denisa Kalova, venceram os eslovenos Miha Ivanic/Lia Sclehars, avançando assim para a 2ª ronda. 
O dia de amanhã não se prevê fácil para os atletas portugueses, quer em singulares, quer em pares mistos (Bernardo Atilano). Pode ver em baixo os resultados dos atletas portugueses no dia de hoje, bem como as partidas da 2ª ronda marcada para amanhã. Todos os resultados aqui.


Resultados dos Atletas Portugueses
Pares Mistos 
Duarte Anjo/Magdalena Lajdova (CZE) perderam com Patrick Scheil/Pia Beker (GER) por 20-22/15-21
Bernardo Atilano/Denisa Kalova (CZE) venceram Miha Ivanic/Lia Sclehar (SLO) por 21-13/21-16
Pares Homens
Bernardo Atilano/Duarte Anjo perderam com Calvin Kristante/Bagas Maulana (INA) por 14-21/11-21
Singulares Homens
Martin Cerkovnik,9/16 (SLO) perdeu com Duarte Anjo por 16-21/6-21
Julian Edhofer (GER) perdeu com Bernardo Atilano,9/16 por 8-21/10-21

Amanhã 6 de março 
Pares Mistos
2ª Ronda
9H00 - Bernardo Atilano/Denisa Kalova (CZE) vs Li Kuen Hon
Singulares Homens
3ª Ronda
10H10 – Duarte Anjo vs Ditlev Holm (DIN)
11H00 – Chan Yin Chak (HKG) vs Bernardo Atilano

quarta-feira, 4 de março de 2015

Edição "Bodas de Ouro" dos Internacionais de Portugal iniciam-se amanhã nas Caldas da Rainha

Inicia-se amanhã no Centro de Alto Rendimento para o Badminton, nas Caldas da Rainha a 5ª Edição dos Internacionais de Portugal, terminando no próximo domingo com a realização das finais. A prova é um International Series de 5000 Dólares, está integrada no circuito europeu do Badminton Europe e é ainda pontuável para o ranking mundial, europeu e do circuito do BE. 
Em singulares homens, portugal não tem qualquer atleta no quadro principal, mas são vários os que amanhã vão lutar pelas oito vagas ainda existentes. Pedro Martins e Nuno Santos, são os mais experientes atletas portugueses em singulares e estarão por certo na luta por uma dessas vagas. Com alguns acertos esta noite efectuados, mais alguns atletas portugueses conseguiram entrar nas qualificações, como sãos os casos de João Marques, Tomás Nero, e Bruno Carvalho. Não podemos no entanto esquecer que Também os jovens Ricardo Silva e Ângelo Silva estão nas qualificações de amanhã. Em singulares senhoras, Sónia Gonçalves é a única atleta lusa, com presença garantida no principal quadro. No entanto mais 10 atletas portuguesas estarão nas qualificações à procura da passagem ao quadro principal. São elas Gabriela Pereira, Ana Dias, Daniela Conceição, Luísa Faria, Ana Amaral, Joana Lopes, Ana Albuquerque, Joana Amaral, Helena Pestana e Adriana Gonçalves. Em pares homens, Ricardo Silva/Ângelo Silva descansam amanhã porque já estão no quadro principal, mas as restantes duplas terão de competir já amanhã as qualificações, e onde está também a dupla Guilherme Pereira/Luís Miguel Silva, que estava na lista de reservas e acabou por entrar no acerto de calendário. Paulo Mendonça/Pedro Velez e Tomás Nero/Bruno Carvalho já estão na 2ª ronda das qualificações e a uma vitória de entrarem no quadro principal.
Em pares senhoras não há qualificações e todas as duplas portuguesas apenas entram em acção na sexta-feira. Já em pares mistos, Paulo Mendonça/Isabel Matias e Guilherme Pereira/Gabriela Pereira, sairam da lista de reservas para entraram na competição na fase de qualificações. Também em pares mistos, não há portugueses no quadro principal. Telma Santos em fase final da sua recuperação a uma pequena intervenção cirúrgica a um dos seus joelhos é a grande ausente portuguesa na competição, ela que venceu em 2010 a prova portuguesa.
Referencia ainda em singulares para os principais cabeças de serie, com destaque para os japoneses Kazumasa Sakai, 62º do ranking mundial em singulares homens e Sayaka Takahashi, nº 13 mundial.
Esperamos nesta 50ª Edição mais uma excelente organização da prova portuguesa por parte da Federação Portuguesa de Badminton. Aqui fica o calendário da prova, bem como os primeiros jogos dos atletas portugueses.

Atletas Portugueses
Qualificações
Pares Mistos
09H00 - Paulo Mendonça/Isabel Matias vs Ricardo Silva/Daniela Conceição
09H00 - Guilherme Pereira/Gabriela Pereira vs Javier Soler/Laura Molina
09H00 - Ruben Vieira/Ana Amaral vs Tobias Wadenka/Kira Kattenbeck (GER)
09H15 - João Marques/Joana Lopes vs Remco Kuilman/Esther Kuilman (HOL)
09H15 - Akseli Danskamen (FIN)/Melissa Mazurstak (EST) vs Ângelo Dias/Ana Dias
09H35 - Manuel Leitão/Ana Albuquerque vs Marko Pyykonen (FIN)/Karoliine Hoim (EST)
09H35 - Bruno Carvalho/Sónia Gonçalves vs Robert Golding/Tanapat Pisitpong (ENG)
09H50 - Anton Kaisti/Mathilda Lindholm (FIN) vs Miguel Pinto/Joana Amaral

Singulares Homens
09H50 - João Marques vs Nuno Santos
10H10 - Alex lane (ENG) vs Pedro Martins
10H45 - Tomás Nero vs Pablo Sanmartin (ESP)
11H35 - Mikkel Mikkelsen (DIN) vs Ricardo Silva
12H10 - Richard Domke (GER) vs Ângelo Silva
13H05 - Bruno Carvalho vs Chen Zeyu (ESP)

Singulares Senhoras
13H40 - Sara Boyle (IRL) vs Gabriela Pereira
13H55 - Ana Dias vs Getter Saar (EST)
14H15 - Daniela Conceição vs Noora Ahola (FIN)
14H15 - Nadia Fankhauser (SUI) vs Luisa Faria
14H15 - Rachael Darragh (IRL) vs Ana Amaral
14H30 - Joana Lopes vs Cendrine Hantz (SUI)
14H50 - Ana Albuquerque vs Akane Watanabe (JPN)
14H50 - Esther Kuilman (HOL) vs Joana Amaral
15H05 - Helena Pestana vs Sonja Langthaler (AUT)
15H05 - Frida Lindstrom (SWE) vs Adriana Gonçalves

Pares Homens
15H25 - Luis Baia/Miguel Pinto vs Guilherme Pereira/Luis Miguel Silva
15H40 - David Kristensen (DEN)/Ernesto Velazquez (ESP) vs Marco Jorge/Daniel Mendes
15H40 - Rafael Miguel/António Paiva vs Blai Ramirez/Manuel Vazquez (ESP)
16H00 - João Marques/Ruben Vieira vs Adrian Alcaid/Enrique Pancorbo (ESP)
16H15 - Luis Nesbitt/Carlos Ricardo vs Jesus Lonrenzo/Chen Zeyu (ESP)
* PauloMendonça/Pedro Velez e Tomás Nero/Bruno Carvalho já estão na 2ª ronda de qualificação.




Yonex German Open Junior 2015 - Bernardo Atilano e Duarte Anjo em mais um grande competição junior

Tem lugar em Berlim, capital da Alemanha, de 5 a 8 de Março o German Open Junior 2015, competição de grau #A, e que conta este ano com a participação dos atletas portugueses Duarte Nuno Anjo e Bernardo Atilano. Os dois atletas considerados por este blogue, como Atletas Revelação do Ano 2014, irão disputar as provas de singulares homens, pares homens e pares mistos, onde fazem dupla com atletas da republica checa. Os dois atletas estavam convocados pela FPB, para participarem nos 50ºs Internacionais de Portugal, mas preferiram viajar até Berlim, para tentarem amealhar mais alguns pontos para os rankings mundial, europeu e do circuito do BE.  O calendário já é conhecido e logo o primeiro dia, os portugueses terão competição nas três variantes, Aqui deixamos os primeiros jogos dos portugueses e respectivos horários e o calendário da prova.





Pares Mistos 
09H45 - Duarte Anjo/Magdalena Lajdova (CZE) vs Patrick Scheil/Pia Beker (GER)
10H05 - Bernardo Atilano/Denisa Kalova (CZE) vs Miha Ivanic/Lia Sclehar (SLO)
Pares Homens
11H50 - Bernardo Atilano/Duarte Anjo vs Calvin Kristante/Bagas Maulana (INA)
Singulares Homens
15H20 - Martin Cerkovnik,9/16 (SLO) vs Duarte Anjo
17H40 - Julian Edhofer (GER) vs Bernardo Atilano,9/16

terça-feira, 3 de março de 2015

III Torneio "Cidade de Albergaria", integrado no circuito nacional de seniores da FPBadminton (Torneio de Clubes)

O Clube Albergaria vai realizar nos dias 28 e 29 de Março o III Torneio "Cidade de Albergaria", prova integrada como Torneio de Clubes Seniores , pontuável para o ranking nacional. A prova está aberta a todos os escalões de seniores e nas cinco provas habituais (singulares homens e senhoras, pares homens, senhoras e mistos). As inscrições estão abertas até ao próximo dia 15 de Março e devem ser feitas na plataforma on-line da Federação Portuguesa de Badminton, devendo o pagamento ser efectuado através de cheque à ordem do Clube Albergaria ou através de transferência bancária para o NIB: 0010.0000.2658.9420.0011.8, enviando o comprovativo para a FPB. para mais informações pode usar o mail: ca@fpbadminton.com ou através do telemóvel: 966656337. O Clube Albergaria conta com a sua participação.

YONEX ALL ENGLAND - O MELHOR E MAIS ANTIGO TORNEIO DO MUNDO COMEÇOU HOJE EM BIRMINGHAM

Iniciou-se hoje na cidade de Birmingham o melhor e mais antigo torneio de Badminton do Mundo. 
A 105ª edição do Yonex All England, competição Superseries Premier, tem como prize money 1/2 milhão de dólares e conta com a presença como é obvio dos principais atletas da actualidade. O espectáculo começou no Barclaycard Arena com os habituais qualifyings, para os respectivos quadros principais onde já estão os melhores dos melhores. Um torneio a não perder onde está toda a paixão do badminton. Long Chen, líder do ranking mundial tentará em Birmingham o seu 2º título, ele que venceu na edição de 2013, mas poderá haver surpresas. Também a chinesa, Shixian Wang, está em Inglaterra para tentar o seu 3º título, ela que venceu o ano passado e em 2011. A sua compatriota e nº 1 do mundo Li Xuerui pode também alcançar a 2ª vitória depois de conquista do All England em 2012.  Pode acompanhar toda a competição no site do All England.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Federação divulga convocados para o Campeonato da Europa de Juniores - Competição por equipas e Individual

A Federação Portuguesa de Badminton divulgou hoje a lista de atletas convocados para o Campeonato da Europa de Juniores que se realiza na cidade polaca de Lubin de 26 de Março a 4 de Abril. Esta convocatória não é novidade, pois há muito que Linhas & Finas/+badminton tinha avançado com estes oito atletas, os mesmos que estiveram em Espanha com excelentes resultados. São também os atletas juniores que mais se tem destacado esta temporada, quer a nivel nacional, quer a nivel internacional. No entanto queremos deixar aqui uma mensagem de apoio a Sofia Setim, que infelizmente a recuperar de lesão, não poderá estar na Polónia, ela que o merecia inteiramente. 
Lembramos que a competição por equipas se inicia dia 26 de Março e que Portugal faz parte do grupo #1, juntamente com a 1ª cabeça de serie Dinamarca, a Letónia e a Arménia. 
Lista de atletas convocados para a Seleção Nacional que participará no Campeonato da Europa de Juniores: Ana Dias, Ângelo Silva, Bernardo Atilano, Daniela Conceição, Duarte Anjo, Gabriela Pereira, Joana Lopes e Ricardo Silva. Pode ver aqui o calendário na 1ª fase de Portugal. Os atletas serão acompanhados pelo Técnico Nacional Fernando Silva. 

A FPB informou ainda que os atletas e pares inscritos na competição individual são os seguintes:
Singulares Homens
Bernardo Atilano e Duarte Anjo

Singulares Senhoras
Gabriela Pereira e Joana Lopes

Pares Homens
Bernardo Atilano/Duarte Anjo e Ângelo Silva/Ricardo Silva

Pares Senhoras
Ana Dias/Gabriela Pereira e Daniela Conceição/Joana Lopes

Pares Mistos
Ângelo Silva/Ana Dias e Ricardo Silva/Daniela Conceição

Equipa do Taby BC treinada pelo português Ricardo Fernandes entra a vencer na 1ª mão nos 1/4 Final da liga sueca

A equipa do Taby BC, conquistou esta noite uma vitória diante do Skogas BC em encontro da 1ª mão dos 1/4 de final da principal liga sueca de badminton. Uma vitória muito importante por 4-3 da equipa treinada pelo madeirense Ricardo Fernandes, ainda mais que, foi conquistada em casa do adversário. No final do encontro que terminou à poucas horas, Ricardo Fernandes comentou assim a ao blogue Linhas & Finas/+ badminton  a vitória da sua equipa "- esta é uma vitória importante, pois, partimos em vantagem assim de "vingança" tendo em conta que perdemos com esta equipa por 2-5 na fase regular. Obviamente, que nada está decidido e de forma alguma podemos pensar que já estamos qualificados para a 1/2 final! Temos de estar concentrados e preparar-nos bem para a 2ª mão que vai ser disputada na próxima 2ª feira em nossa casa -" 
Foi um encontro bastante equilibrado, em que o Taby BC perdeu duas partidas na negra. Pode ver a ficha do encontro aqui.

domingo, 1 de março de 2015

No Alto e no Baixo da Semana

NO ALTO E NO BAIXO DA SEMANA

No Alt0
CHELAGOENSE
- Por mais um titulo conquistado este domingo. Um titulo que significa a presença da CHELagoense pela 5ª vez consecutiva na Taça dos Campeões Europeus. Para além do clube, um muito alto para todos os atletas, treinadores e dirigentes que conquistaram este "Penta Campeonato".

ESDMII
- Um titulo arrancado a ferros, mas merecido pela equipa bracarense (Campeão Nacional de Equipas Mistas 2ª Divisão). A ESDMII talvez não fosse a equipa favorita entre as cinco que participaram na prova, mas a vitória inicial sobre o FAC foi a "Chave do sucesso". A cidade de Braga já merecia voltar ao topo, mesmo que na 2ª divisão, que significa a 1ª divisão na próxima temporada.

Em Baixo
---

ESDMaria II (Braga) sagra-se Campeã Nacional de Equipas Mistas da 2ª Divisão

Foto: FPB
A Escola Secundária D. Maria II de Braga sagrou-se este domingo campeã Nacional de Equipas Mistas da 2ª Divisão e por direito próprio garantiu a subida à 1ª Divisão para a próxima temporada. 
Este foi por ventura o Campeonato Nacional de Equipas Mistas da 2ª Divisão mais equilibrado dos últimos anos, com três formações das cinco que participaram a terminarem com o mesmo numero de pontos. Se no final do dia de ontem o Núcleo Sportinguista de Tires, estava a apenas um encontro de sagrar campeão nacional, mas a derrota de hoje por 1-4 diante do Famalicense Atlético Clube, fez alterar as contas e a partir desse momento, era o clube de Famalicão que passava para a frente da prova No entanto faltava ainda uma jornada, com a participação precisamente da equipa equipa do FAC, comandada por Bruno Gomes frente ao Clube Académico de Odivelas e da Escola Secundária D. Maria II diante do Movimento Voluntário. Ambas as formações do distrito de Braga poderiam sagrar-se campeãs, tudo iria depender dos resultados finais, estando também em questão o numero de partidas ganhas ou perdidas para as contas finais. A equipa de Famalicão fechou o encontro com uma vitória diante do CAO e ficou na bancada à espera do fecho da partida entre ESDMII e o MVD. No entanto a equipa de Ângelo Santos e Ângela Leite, que estiveram a perder por 1-2 diante do MVD, acabou por dar a volta ao encontro vencendo por 3-2, sagrando-se campeã nacional. 


Campeões Nacionais: Ângelo Santos, Jorge Carvalho, Miguel Costa, Ângela Leite e Catarina Silva. Treinadores: Ângelo Santos e Ângela Leite. 

Campeonato Nacional de Equipas Mistas/1ª Divisão - CHELagoense alcançou hoje o Penta-Campeonato

Foto: FPB
A CHELagoense venceu este domingo e pela 5ª vez consecutiva o Campeonato Nacional de Equipas Mistas da 1ª divisão, sendo por direito próprio o representante de Portugal mais uma vez no Campeonato da Europa de Clubes que este ano se realiza na cidade francesa de Tours entre os dias 10 e 14 de Junho. 
A vitória foi mais uma vez conseguida em mais uma final, diante da formação do CSMadeira. Uma vitória suada, num encontro muito equilibrado  apenas decidido na ultima partida (pares mistos). O Clube orientado por Cosme Berenguer, bem como os seus atletas, devem no entanto estar orgulhosos pelo 2º lugar conquistado, já que realizou um grande encontro diante dos actuais campeões nacionais. 
Este ano desfalcada de atletas como Filipa Lamy, Telma Santos, Ana Reis ou Ana Moura, a equipa de António Pinto Leite e Bruno Pimentel, acabou por encontrar um misto de juventude, experiência e veterania para mais uma vez levar o tão ambicionado titulo nacional. Quem também subiu ao pódio, foi a formação da Associação Académica de Coimbra que no jogo de atribuição do 3º e 4º lugares, levou de vencida a equipa do SIMPS (Porto Salvo)  por 4-1. Já esta manhã a NovasementeGD (Espinho) tinha garantido a permanência na 1ª divisão, ao vencer o CAlbergaria por 4-2


Campeões Nacionais: Atletas – Pedro Martins, Bruno Carvalho, Fernando Silva, Hugo Rodrigues, Ricardo Silva, Tomás Nero, Ângelo Silva, Catarina Cristina, Daniela Conceição, Mariana Leite, Mariana Chang e Dalila Belém. Treinadores – António Pinto Leite e Bruno Pimentel. Dirigentes – José Armando e Diamantino Ruivinho.


Classificação Final
1º CHELagoense
2ª CSMadeira
3º AACoimbra
4º SIMPSalvo
5º NGD (Espinho)
6º CAlbergaria

Entrevista com... o professor Luís Carvalho conduzida pelo Prof. Fernando Gouveia

Entrevista com...
o professor Luís Carvalho

Introdução - Luís Carvalho, professor de Educação Fisica, natural de Lisboa e residente em Peniche, docente no Agrupamento de Escolas D. Lourenço Vicente-Lourinhã, envolvido na modalidade de Badminton desde 1971 como praticante, treinador de grau III, foi Director Técnico da Federação Portuguesa de Badminton, durante 10 anos em vários períodos, selecionador nacional durante 8 anos, treinador de vários clubes sendo o último o Clube Stella Maris de Peniche desde 1985, frequentou inúmeras acções de formação no estrangeiro entre as quais 4 SummerSchools (sendo a última como Head Coach), único treinador português convidado para orientar diversas acções para a Federação Internacional (África. América Central, do Sul e Europa), Director Técnico e treinador nacional do México e do Brasil, formador de treinadores nacionais e internacionais, técnico responsável por atletas olímpicos nos Jogos de Barcelona ( Fernando Silva) e de Londres (Telma Santos). Eleito também pelo Blogue Linhas & Finas/+ badminton como treinador do ano 2012.

Fernando Gouveia - É muito difícil o trabalho de treinador de Badminton?
Luís Carvalho – Encerra as mesmas dificuldades de algo que pretendamos fazer bem, com profissionalismo e dedicação. Nesta nossa modalidade o que se passa é que ao mesmo tempo que somos técnicos também somos dirigentes, motoristas, etc , etc, etc. e esta diversidade de funções por vezes cria bastantes problemas.
FG - Gosta mais de trabalhar com os não seniores ou com os seniores?
LC – São desafios diferentes como também é diferente trabalhar com seniores que já “cresceram” connosco e estão habituados a processos, metodologias e intensidades, ou outros que têm outros hábitos de trabalho. Respondendo concretamente, gosto de trabalhar com os dois escalões. Ter a oportunidade de ver os mais jovens crescerem e desenvolverem-se é tão gratificante como acompanhar os mais velhos na sua afirmação. Dizendo de outra forma, a “escada” (que é o percurso a percorrer pelos atletas) é a mesma, apenas a forma de ajudar a “subir” é que pode diferir.
FG - Quais foram os grandes jogadores que lhe passaram pelas mãos?
LC – De jogadores nacionais posso falar de toda uma geração de atletas de Peniche. Dos jogadores mais conhecidos tenho de falar no Fernando (Silva), na Telma (Santos) ao nível diário e de clube, e de outros ao nível das selecções nacionais o Marco (Vasconcelos), o Ricardo (Fernandes), etc. Durante estágios e academias no estrangeiro tive a oportunidade de trabalhar com atletas de vários continentes que vieram a ser importantes a nível internacional. Tive a sorte de ter aprendido bastante com todos eles, nacionais e estrangeiros.
FG - Descreva um pouco sobre o Clube Stella Maris e quais as maiores dificuldades que sentem, na presente época desportiva?
LC – O CSM é desde sempre um clube 100% amador (treinador incluído) que surgiu há muitos anos como “ramo” da obra social da paróquia de Peniche e particularmente o Badminton surgiu neste Clube pela mão do meu amigo e um dos meus mentores o Prof. Nuno Bello. Sendo um Clube 100% amador e recebendo um pequeno subsídio por parte da Câmara Municipal, a maior dificuldade com que nos deparamos é obviamente financeira já que os gastos com a parte administrativa, o material e as deslocações absorvem completamente os recursos. Os atletas (e as suas famílias) e os treinadores suportam completamente os seus próprios custos. Temos a grande vantagem de ter instalações que nos pertencem (5 campos) e de transportes próprios que podemos administrar (suportando nós os combustíveis, portagens, etc.).
FG - Como observa a relação dos clubes com a FPB?
LC – Sem querer ser injusto, não observo porque não existe. O contacto (e não relação) existe apenas de uma forma puramente formal e administrativa. Apenas respondo assim, porque na minha maneira de ver, um clube deveria estar para a Federação, como uma família está para a sociedade. É a célula onde tudo começa e sem células não há corpo, e sendo assim deveria ter uma importância que não lhe é dada.  
FG- Qual a sua opinião sobre, a situação do Badminton Nacional no actual contexto e panorama económico/financeiro e social?
LC – É óbvio que o momento que vivemos em Portugal retirou muitos recursos e as pessoas estão muito preocupadas em assegurar o essencial para viverem condignamente. Por outro lado ainda falta muito para que a generalidade das famílias em Portugal considere e aceite a pratica física e desportiva como algo fundamental na formação e desenvolvimento das crianças e jovens. Por último, o que se vê no panorama desportivo nacional é que esta crise que vivemos para alguns foi providencial porque serve sempre de desculpa para aquilo que não queremos fazer. 
FG - Para quando um Torneio Internacional em Peniche, com Telma Santos e atletas do seu actual clube, o Vendsyssel Elite Badminton, da Dinamarca?
LC – Vamos ver quando será possível. Para já temos outros projectos a concretizar nomeadamente os campos de treino de preparação da próxima época desportiva ( 1 semana+1 semana), abertos a atletas nacionais e estrangeiros, e que decorrerão em Peniche no final do mês de Agosto deste ano e que contarão com 6 técnicos (Fernando Silva, Telma Santos, Filipa Lamy, Tim Willis, Jorge Cação e eu próprio) e 40 atletas em cada semana.
FG - O Badminton é uma modalidade de cariz popular, mas em Portugal não tem grande implantação. Porquê?
LC – Já foi pior e creio que temos vindo a melhorar. Entendo aqui o popular com o significado de atractiva e de fácil iniciação. Porquê a pouca divulgação/implantação? Por razões de vária ordem como a falta de divulgação nos media, a falta de um marketing dirigido à modalidade, a falta de um plano nacional de promoção, a falta de uma cooperação mais profícua entre o Desporto Escolar e a Federação da modalidade, e se calhar por mais algumas razões.
FG - Os resultados que os portugueses têm alcançado internacionalmente, estão longe de corresponderem à muito baixa competitividade existente no país. Como explica esta situação? Seremos um país de atletas / fenómenos?
LC – Somos obviamente um País que tem os seus talentos e em que a maioria desses talentos está disposta através de muitos sacrifícios e dedicação a melhorar as suas performances, e onde há treinadores que sabem como trabalhar e o que trabalhar. Importa sim colocar outras interrogações como por exemplo, “Quantos talentos já perdemos e porquê?”, “Com outra organização e sistematização onde poderíamos chegar?”, etc. etc.
FG - Qual a observação que faz sobre a muito pouca sensibilização da Comunicação Social, para com o Badminton?
LC – Enfim a pouca sensibilização em relação ao Badminton é a mesma que os media em Portugal têm para com outras modalidades ditas menores. Acho que todos entendemos que nos media (como na maioria das organizações) há lobbies e esses lobbies defendem interesses específicos de determinadas modalidades. Felizmente há honrosas excepções, mas é justo referir que quando existe algum resultado relevante na modalidade sobretudo ao nível internacional, as notícias de “duas linhas” já começam a aparecer com mais regularidade. Acho que este esforço de penetrar a sério nos media deveria ser uma prioridade muito forte por parte da nossa Federação.

FG - O que uma criança precisa para jogar Badminton e com que idade deve começar a treinar?

LC – Quanto a mim precisa apenas de vontade, incentivo e as indicações básicas para que maus hábitos (técnicos) não prejudiquem a sua aprendizagem futura. Uma criança quando começa não treina Badminton, brinca ao Badminton. Gradualmente vão-se introduzindo e corrigindo os gestos mas nunca numa perspectiva de treino mas sim de divertimento e convívio. Será muito mais diversão e deverá caber ao treinador através da sua observação, estabelecer quando determinada criança poderá então passar a efectuar algo mais sistematizado, respeitando de uma forma individual a capacidade de aprendizagem de cada uma. Creio que a idade ideal deverá ser a dos 6-7 anos, o que não impede que crianças mais novas não possam e devam brincar ao Badminton.
FG - Porque é importante que as crianças pratiquem desporto?
LC – O papel formativo, educativo, de promoção de hábitos de vida saudáveis, social e inclusivo da prática desportiva está hoje universalmente aceite, mas é pena que em Portugal isso ainda não seja plenamente aceite ao nível das famílias ou sendo aceite não lhe é dada a importância devida. A actividade física e o desporto têm sempre de ser encarados como um investimento e não como um gasto ou algo supérfluo.
FG- É diferente treinar atletas femininos e masculinos, porquê?
LC – Em primeiro lugar porque em termos físicos existem diferenças e em segundo porque as exigências tácticas durante um jogo de singulares ou pares homens e outro de singulares ou pares senhoras e as respectivas intensidades são claramente diferentes, se bem que os princípios de jogo sejam os mesmos.
FG- Quais são os erros mais comuns dos pais frente à formação desportiva dos seus filhos?
LC – Creio que a maioria dos pais (infelizmente alguns treinadores também o fazem) se centra muito mais no resultado do que no benefício e correcção da prática, o que num processo de formação é profundamente errado. Isto acontece na nossa como noutras modalidades. Cabe ao treinador ter esse papel pedagógico também com os pais em dois aspectos fundamentais: 1º moderar as expectativas, já que muitos deles “revêm-se” através dos filhos, querendo sempre que os filhos atinjam algo que eles nunca conseguiram; 2º fazer entender que tudo tem o seu tempo próprio e que nunca se devem acelerar nem saltar etapas de formação.
FG - Actualmente como se realiza o seu trabalho com Telma Santos e desde que idade começou, a treinar sob a sua orientação?
LC – A Telma começou a trabalhar comigo desde que apareceu na modalidade e tinha (creio) 7 anos. Hoje temos um relacionamento que transcende a relação atleta/treinador porque não nos podemos esquecer que já lá vão mais do que 20 anos. Neste momento a Telma recupera da intervenção cirúrgica a que foi submetida e felizmente tudo está a correr bem. Esperamos em breve recuperar progressivamente a nossa rotina de trabalho, que está alicerçada nos dois treinos diários (sejam eles de ordem técnica e/ou física), 5 a 6 dias por semana, para tentar que a meio de Abril a Telma esteja em condições suficientes para entrar em competição.
FG - Qual a sua expectativa de Pedro Martins e Telma Santos, para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e qual a estratégia para garantir uma vaga atendendo, que a contagem para o "Ranking Mundial" tem início, no pré-olímpico?
LC – Para já a grande expectativa e ao mesmo tempo objectivo é garantir a qualificação tanto para um como para o outro. Este não vai ser um objectivo fácil atendendo às condições actuais de ranking e vai requerer uma forte motivação, um espírito de sacrifício muito grande, um foco completo no treino e na competição e uma entrega muito grande. Na minha perspectiva, é fundamental subir no ranking (escolhendo os torneios mais correctos atendendo á “forma” de cada atleta) e a partir daí fazer a aposta em torneios de outra exigência para consolidar e melhorar ainda mais esse ranking.
FG - Pela sua experiência de treinador, qual o caminho que deveremos seguir para que a modalidade se desenvolva? A escola é importante nesse processo?
LC – Para trabalhar nessa direcção, eu colocaria a resposta nestes termos: Vectores ou pilares fundamentais -  1) Aumentar a base de recrutamento e de envolvimento de praticantes (Escola e todo o conjunto de acções necessárias a cativar e ligar novos praticantes e manter os actuais); 2) Marketing da modalidade ( “vendendo” o Badminton e sobretudo angariando patrocinadores externos para a modalidade); 3) Organizar dinamicamente o sistema competitivo e o planeamento competitivo por forma a servir dois objectivos - o interesse de todos os atletas já existentes (fidelizá-los á modalidade) e a promoção da qualidade da sua prática e da sua evolução; 4) Valorizar todos os agentes da modalidade proporcionando-lhes orientação, formação e estimulando as suas carreiras; 5) Avaliar permanentemente o que se faz, com capacidade auto-crítica e com a dinâmica que permita manter o que está bem e alterar o que não funciona. Tal como já disse atrás há gastos que não o são. São investimento !!
FG - Existem em Portugal grandes dificuldades para se formar um atleta olímpico?
LC – Existem de facto dificuldades mas essas dificuldades são maiores ou menores dependendo onde se está geograficamente. Quero com isto dizer, que fora das grandes cidades se resolvem com mais facilidade todos os aspectos logísticos, de horários de treino, de compatibilização de actividades, de espaços para a prática, etc. Para os atletas que ainda estudam (e são a grande maioria) isto é também verdade para os diferentes estabelecimentos de ensino. Há uns que compreendem e outros que complicam. Por fim, referir as dificuldades em ter os necessários meios financeiros que são essenciais principalmente para se poder competir e treinar com regularidade no estrangeiro.
FG - Portugal deveria ou não participar, nos Jogos Olímpicos da Juventude, para criar nos jovens jogadores, novos desafios para continuarem a evoluir?
LC – Deveriam ser criadas condições para participar nessa e noutras competições como por exemplo os Jogos do Mediterrâneo, para além daquelas que podemos apelidar de “normais” como sejam os Campeonatos da Europa dos diversos escalões. Porque não tentar também introduzir o Badminton nos Jogos da Lusofonia no âmbito da CPLP?
FG - Recentemente Telma Santos ingressou, num clube dinamarquês, mas acha que ela poderia participar nas competições portuguesas. Qual a sua opinião sobre esta situação?
LC - À semelhança daquilo que é feito noutros países (Inglaterra, França, Suiça, Alemanha, etc.), penso que devia ser permitida a participação em torneios individuais. Lógico que os regulamentos portugueses teriam de sofrer as necessárias adaptações, mas creio que a pior solução é deixar de fora da competição em Portugal os melhores praticantes. Ganharia a competitividade e a qualidade da competição em Portugal e claro que ganhariam os atletas envolvidos (neste momento é a Telma mas amanhã poderão ser muitos mais). Quando falo nos atletas envolvidos refiro-me a todos porque aumentando a dificuldade e competitividade, o nível geral será obviamente mais alto.
FG - Que comentário faz, sobre o actual sistema competitivo em vigor nas provas disputadas em Portugal?
LC – Numa das perguntas atrás já respondi de certa forma. Creio que há coisas que servem o interesse dos atletas e da modalidade e outras que não servem nem uma coisa nem outra e que portanto deveriam ser discutidas e mudadas. Para mim, qualquer sistema competitivo e planeamento tem de ir ao encontro do interesse e proporcionar o desenvolvimento dos principais destinatários: os atletas.
FG - Como é possível identificar talentos desportivos ainda na infância? Quanto tempo é preciso para formar um atleta de nível competitivo internacional?
LC – No último período em que me foram atribuídas algumas responsabilidades de organização na modalidade, trabalhei com o meu colega Jorge Cação no sentido de construir um modelo equilibrado de aplicação nacional que permitisse exactamente a detecção de talentos. Socorremo-nos de estudos e prácticas de outros países e produzimos um documento onde se tentava reproduzir e organizar esse modelo dentro da realidade portuguesa. É nossa opinião que a detecção de talentos é um factor determinante no desenvolvimento qualitativo da nossa modalidade, dadas as características de exigência e da riquissima diversidade técnica que o Badminton encerra. Quanto á questão de quanto tempo é preciso, adopto aquilo que é afirmado pelos especialistas em desenvolvimento desportivo (e que consigo comprovar pela minha práctica), de que são necessários entre 10 a 12 anos de trabalho a que correspondem mais ou menos 10 a 12 000 horas de treino.
FG - Quais os seus principais objectivos para os próximos anos?
LC – Continuar a trabalhar com os atletas, procurar melhores condições para o Stella Maris, melhorar como treinador e contribuir da maneira que me for possível para o desenvolvimento do Badminton em Portugal.
FG - Em sua opinião, qual foi o seu melhor momento como treinador?
LC – Qualquer um em que me sinta realizado na tarefa em que esteja empenhado, seja ela em treino, em competição, em organização, em formação. Os momentos mágicos para mim foram/são vários: os dois desfiles de abertura nos Jogos Olímpicos de Barcelona e de Londres, o orgulho que senti nas diversas vitórias internacionais da Telma e do Fernando, o recente título europeu do Fernando e de uma forma geral sempre que sinto que o meu trabalho ajudou ou ajuda de alguma forma um bom desempenho dos atletas que trabalham comigo. E um bom desempenho para mim não implica necessariamente uma vitória. Posso sintetizar dizendo que a minha motivação é sempre estimulada pela observação do progresso e do desempenho dos atletas que trabalham comigo.
FG - A participação de Telma Santos, nos Jogos Olímpicos de Londres teve alguma importância, para a população de Peniche?
LC – Teve bastante importância não só pelo reconhecimento geral das pessoas em relação a esse feito, mas também porque o que se seguiu foi um crescendo de interesse na prática da modalidade por parte sobretudo de muitas crianças, das suas famílias e da própria autarquia.
FG - O caminho para uma desejada “pirâmide”, em que os atletas dos escalões jovens, deveriam ser a grande “aposta”, deixaria algumas perspectivas para o futuro da modalidade em Portugal?
LC – Podemos dar as voltas que quisermos mas a realidade é que sem uma base alargada, permanentemente renovada, bem orientada e correctamente estimulada, não conseguiremos nunca progredir como gostaríamos. Disto temos um grande exemplo aqui mesmo ao lado em Espanha, onde a par do que atrás disse tiveram a sagacidade de saber colocar os técnicos certos numa perspectiva concertada a liderarem as diferentes áreas técnicas numa via local e regional: desenvolvimento, detecção de talentos, formação, pré-competição, média competição e alta competição.
FG - Na generalidade o jogador português treina muito pouco, pelo que os mais diversos componentes do treino, ficam longe de serem devidamente desenvolvidos. Como ultrapassar esta situação?
LC – Creio que assim que se definirem claramente objectivos, assim que se estabelecerem claramente  apoios, assim que se definirem claramente responsabilidades e assim que se definirem claramente critérios de avaliação a todos os agentes envolvidos, os atletas se sentirão suficientemente motivados e estimulados para trabalhar mais e melhor.
FG - Como avalia a época desportiva 2013 / 2014 em Portugal, em termos de dimensão nacional e internacional?
LC – A nível nacional creio que tem sido tudo muito igual e muito pouco estimulante para os atletas. A nível internacional e através do investimento de alguns clubes, alguns atletas e algumas famílias houve (e bem) a tentativa de procurar outros níveis competitivos e outros patamares de qualidade.
FG - Qual a sua opinião sobre, pontuação, com partidas ao melhor de 5 jogos de 11 pontos, que está a ser testada, em alguns Torneios Internacionais?
LC – Honestamente este sistema experimental não me agrada porque me parece que favorece claramente os atletas de menor condição física. Havia outras alternativas experimentais e que uma delas (não descaracterizando o jogo e mantendo a espectacularidade) serviria claramente os propósitos da BWF que é o de reduzir o tempo de jogo por forma a tornar o Badminton mais “vendável” em termos televisivos. Estou a referir-me á opção de 3 sets de 15 pontos (com vantagens até aos 19 em caso de necessidade).
FG - Qual a sua opinião, sobre a não verdade competitiva, que se observa no Badminton Escolar, onde os mais qualificados jogadores federados participantes, em provas organizadas pela FPB também disputam, as competições escolares provocando, um grande desequilíbrio competitivo?
LC –Em relação a esta questão o meu ponto de partida é o seguinte: não deverá ser negado a nenhum aluno de qualquer Escola a prática de qualquer actividade que essa Escola proporcione, independentemente do seu ponto de partida individual. Reconheço a desigualdade de condições entre federados e não federados mas penso que este problema só se coloca com maior premência nas modalidades individuais, já que nas colectivas poderá sempre limitar-se o número de federados que cada equipa escolar possa incluir moderando desta forma a desigualdade atrás referida. Assim, creio que para as modalidades individuais deveriam estudar-se outros modelos e/ou formas competitivas que permitissem atenuar este problema, tornando mais gratificante para todos os alunos a sua participação nas competições escolares.
FG - A FPB para possibilitar a rentabilidade, do Centro de Alto Rendimento, veio prejudicar os clubes, obrigando-os a deslocarem-se a Caldas da Rainha, para disputarem ao longo da presente época desportiva 30 competições. Qual o seu comentário?
LC – Eu penso que com um planeamento correcto é possível não só satisfazer a necessidade de se ocupar o CAR, mas também proporcionar a possibilidade de haver mais torneios de clubes espalhados pelo País o que levaria a que os atletas não se tivessem que deslocar sempre para Caldas. Para isso poder acontecer teria de ser feita uma revisão completa ao sistema competitivo, adaptando a construção dos rankings nacionais a uma realidade diferente (ou pensar até que ponto esses rankings são importantes), continuando a tentar uma maior regionalização das provas mas de certeza uma regionalização diferente da actual, quem sabe até criando outros níveis de competição.

Juniores Portugueses - Rankings Mundial e Europeu e do Circuito do BE

Com tantos atletas juniores portugueses a participarem esta temporada em provas do Circuito Europeu do Badminton Europe, e com resultados bastante relevantes, é normal que os principais juniores portugueses estejam bastante bem colocados nas respectivas tabelas dos respectivos rankings. Não esquecer que a nivel de juniores em pares as classificações são individuais e não por dupla. 
O principal é o Ranking Mundial, onde já não fazem parte desde 1 de Janeiro de 2015, os sub19 ultimo ano, como são os casos (principais) de Bernardo Atilano, Duarte Anjo e Daniela Conceição.
Nesta tabela, Em singulares homens, Ângelo Silva é o melhor entre os atletas lusos ocupando a 29ª posição com 6550 pontos e uma subida de 4 lugares. Ricardo Silva que subiu 17 posições, vem logo a seguir na 30ª posição com 6160 pontos. O Top 3 português em singulares encerra com a 70ª posição de Miguel Rocha (+2) com 3440 pontos. Em singulares senhoras e apesar de não competir à vários meses a madeirense Sofia Setim continua a ser a melhor portuguesa na 136ª posição com 2460 pontos, isto apesar de cair 28 posições . Joana Lopes no 256º lugar com 1220 pontos é a 2ª portuguesa apesar de também cair 80 posições na tabela. Em sentido contrário Gabriela Pereira teve uma progressão de 193 lugares na tabela subindo para a 289ª posição com 940 pontos. A nivel de pares  pares homens, Ricardo Silva e Ângelo Silva ocupam respectivamente a 26ª (-6) e 27ª (-7) posição com 8380 pontos cada. Em pares senhoras Gabriela Pereira e Sofia Setim perderam algumas posições sendo esta semana respectivamente 206ª com 2500 pontos e 232ª com 220 pontos. Em pares mistos, Ricardo Silva subiu 16 posições e está na 24ª posição com 9280 pontos, 
A nível Europeu aqui deixamos os primeiros portugueses nas respectivas tabelas, com destaque para Bernardo Atilano com o 6º lugar no circuito BE e para o 12ª do ranking europeu, mas onde Ricardo Silva, Ângelo Silva, Duarte Anjo, Daniela Conceição e Gabriela Pereira também merecem destaque pelas actuais posições conquistadas com grandes prestações nos últimos torneios do circuito europeu.